JNT
Logo_EU
Logo_Daphne
Join_The_Net
Sprachauswahl
eu
at
be
bg
cy
cz
de
dk
ee
es
fi
fr
gb
gr
hu
ie
it
lt
lu
lv
mt
nl
pl
pt
ro
se
si
sk
linie_oben
Só vemos o que reconhecemos

Mulheres que foram traumatizadas pela violência sofrem de uma grande variedade de sintomas. São sobretudo estes mesmos sintomas que mais cedo ou mais tarde as faz procurar ajuda. Assim, podem ir ao médico esperando pelo alívio dos seus sintomas físicos, ou a um serviço de aconselhamento psicossocial, e.g. devido a problemas em lidar com a sua vida diária ou a tomar conta das suas crianças. Na maioria dos casos, elas serão tratadas e encontraram aconselhamento para o problema em concreto. Contudo, ocasionalmente, indivíduos traumatizados comportam-se de forma incompreensível, de forma perturbada que até os prestadores de cuidados com a melhor das intenções desistiram. Habitualmente, apesar das causas específicas não é trazido a lume e como consequência permanecem não identificados.

Os prestadores de cuidados sabem muito pouco acerca da violência de género e sobre as suas consequências. Estão pouco informados acerca da perturbação de stress pós traumático em mulheres devido à ocorrência da experiência de violência.

A rede europeia de trauma tenciona disseminar tal conhecimento. O seu objectivo é assegurar que todos os grupos profissionais que de várias formas se encontram envolvidos na saúde e nos cuidados sociais a mulheres que reconheçam certos sinais de alarme. O facto é que as mulheres que se encontram traumatizadas ou que são vítimas de violência muitas vezes têm vários problemas em abordar o assunto da sua vivencia de violência por sua iniciativa, contudo ela tendem a estar preparadas a desabafar se um médico ou assistente social tomar o primeiro passo. Para que isto aconteça, os profissionais relevantes têm de conseguir identificar os sinais e saber de que forma intervir.

O programa de treino desenvolvido pela iniciativa desta rede é curto e providencia conhecimentos práticos relacionados com a PTSD em mulheres na sequência de experiências violentas. Não é necessário ser um especialista em PTSD para conseguir tomar uma posição e ajudar mulheres afectadas. Mas apenas um olho treinado consegue reconhecer as causas geradoras dos sintomas.

Os materiais de treino estão disponíveis em todas as línguas da União Europeia. Eles têm sido testados com sucesso e avaliados com eficácia a longo prazo pelos fundadores da rede. Hoje o material está em uso em todos os 26 países membros da EU.

Leia mais acerca dos detalhes do programa de formação>>>>>>